OS DADOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO ESTADO DO TOCANTINS A PARTIR DO SISTEMA E-PROC
PDF

Como Citar

Marques, F. G., & Soares, P. S. G. (2018). OS DADOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO ESTADO DO TOCANTINS A PARTIR DO SISTEMA E-PROC. REVISTA ESMAT, 9(14), 11-28. https://doi.org/10.34060/reesmat.v9i14.206

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar os dados da violência doméstica efetivamente judicializados nas Varas de Violência Doméstica das 42 comarcas do estado do Tocantins a partir de informações obtidas no sistema de processo digital do Tribunal de Justiça (TJ), intitulado Sistema Eletrônico de Processos (E-PROC). Considerou-se como problema o fato de o sistema fornecer apenas os dados brutos, mas sem distinguir os tipos penais. Além disso, constatou-se que a acessibilidade às informações fica disponível apenas aos servidores e magistrados do Poder Judiciário. A partir da solicitação e captação dos dados armazenados no período entre 2013 e 2015 foi possível tipificar a violência doméstica a partir do estabelecido na Lei n° 11.340, de 2006. Esse procedimento permitiu a construção de tabelas e gráficos detalhados conforme os tipos de violência praticados, da seguinte forma: elevado, crescente, estável, decrescente e baixo. Entende-se que o acesso a esses dados pela população adjacente e pelos pesquisadores do tema pode auxiliar na construção de políticas públicas nas localidades em que os índices se apresentem elevados ou em processo crescente, além de possíveis avanços em pesquisas que possam auxiliar na minimização do problema da violência doméstica onde se faça necessário. O artigo contribui para cumprir o que prescreve o artigo 8°, inciso II, da Lei n° 11.340, de 2006, que, grosso modo, expõe a necessidade de pesquisa e divulgação de dados estatísticos sobre a violência doméstica.
https://doi.org/10.34060/reesmat.v9i14.206
PDF

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Congresso Nacional, 1988.

BRASIL. Lei nº. 11.340/06. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília/DF, 7 de agosto de 2006; 185o da Independência e 118o da República.

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO. Justiça Federal. E-PROC: processo eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região completa cinco anos. 21/10/2014. Disponível em: https://www2.trf4.jus.br/trf4/controlador.php?acao=noticia_visualizar&id_noticia=10500. Acesso em: 20 mai. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção para eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher - CEDAW. Disponível em: http://www.un.org/womenwatch/daw/cedaw/ . Acesso em: 17 jun. 2016.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, “Convenção de Belém do Pará”. Belém/PA, 1994.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

VIEZZER, Moema. O problema não é a mulher. São Paulo: Cortez, 1989.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.