PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E SUA EFETIVAÇÃO POR MEIO DO DIREITO À EDUCAÇÃO
PDF

Como Citar

Nalini, J. R., & Torres, A. J. P. (2019). PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E SUA EFETIVAÇÃO POR MEIO DO DIREITO À EDUCAÇÃO. REVISTA ESMAT, 10(16), 185-198. https://doi.org/10.34060/reesmat.v10i16.262

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão acerca da efetivação da dignidade da pessoa humana por meio do direito à educação. A abordagem aqui proposta adota o método dedutivo. O trabalho desdobra-se em quatro partes. Na primeira, serão analisados os direitos fundamentais a partir de um breve relato histórico investigando sua origem e seu desenvolvimento diante da evolução da sociedade chegando à ideia de dignidade da pessoa humana; na segunda, será analisado o princípio da dignidade humana em seu conteúdo e sua aparição no direito brasileiro, como princípio matriz do sistema de direitos e garantias fundamentais. Em seguida, é feita a análise do quanto o direito à educação tem interferência direta no desenvolvimento da dignidade da pessoa humana, e, por fim, como os órgãos públicos da educação têm promovido ações de proteção à dignidade humana.
https://doi.org/10.34060/reesmat.v10i16.262
PDF

Referências

ANDRADE, V. F. A dignidade da pessoa humana: valor-fonte da ordem jurídica. São Paulo: Cautela, 2007.

ARNESEN, E. S., RANIERI, N. B. O Supremo Tribunal Federal e o Direito Internacional À Educação: a Promoção Indireta dos Princípios e Normas Internacionais. Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas da Universidade de São Paulo - NUPPS. Disponível em: <http://nupps.usp.br/downloads/artigos/ninaranieri/stfdirinted.pdf>. Acesso em: 21 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file> . Acesso em: 20 de jul. 2017.

CAMARGO, M. N. Leituras Complementares de Direito Constitucional: Direitos humanos e direitos fundamentais. 3 ed. São Paulo: JusPodivm, 2008.

CURY, C. J. O direito à educação: Um campo de atuação do gestor educacional na escola. Disponível em: http://escoladegestores.mec.gov.br/site/8-biblioteca/pdf/jamilcury.pdf. Acesso em: 19 jun. 2017.

DEMO, P. Argumento de autoridade x autoridade do argumento: interfaces da cidadania e da epistemologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2005.

EDUCAÇÃO, C. E. (31 de outubro de 2017). Deliberação CEE n.º 155/2017. Fonte: www.ceesp.sp.gov.br.

EDUCAÇÃO, C. E. (31 de outubro de 2017). Deliberação CEE nº 149/2016. Fonte: www.ceesp.sp.gov.br.

GALDINO, F., & SARMENTO, D. Direitos fundamentais: estudos em homenagem ao professor Ricardo Lobo. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

GARCIA, M. A Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política, Revista dos Tribunais, v. 6, n. 23, abr./jun., 1998.

GENTILI, P., & ALENCAR, C. Educar na esperança em tempos de desencanto. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

NALINI, J. R. Ética Geral e Profissional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

Ranieri NBS. O direito educacional no sistema jurídico brasileiro. In: Justiça pela qualidade da educação. São Paulo: Saraiva, 2013.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

REALE, M. Filosofia do Direito. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

SILVA, J. A. Curso de Direito Constitucional Positivo. 30. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.