(IN)APLICABILIDADE DA AUDIÊNCIA PREVISTA NO ARTIGO Nº 16 DA LEI Nº 11.340, DE 2006, NO JUÍZO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE DIANÓPOLIS-TO
PDF

Palavras-chave

Conciliação. Dianópolis-TO. Juízo Criminal. Ocorrências. Violência Contra a Mulher.

Como Citar

Sérgio Melo Xavier , M., Ribeiro Diniz , H., & Schelive Correia , I. (2021). (IN)APLICABILIDADE DA AUDIÊNCIA PREVISTA NO ARTIGO Nº 16 DA LEI Nº 11.340, DE 2006, NO JUÍZO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE DIANÓPOLIS-TO. REVISTA ESMAT, 12(20), 32-49. https://doi.org/10.34060/reesmat.v12i20.381

Resumo

O presente estudo teve como intuito básico e específico, analisar a trajetória das ocorrências de violência contra as mulheres no Juízo da Vara Criminal de Dianópolis-TO, entre os anos de 2015 a 2019, no qual foram discutidos: o número de medidas protetivas realizadas no período citado, e a necessidade, ou não, de ser realizada a audiência conciliatória prevista no artigo nº 16 da referida Lei. A metodologia empregada foi a pesquisa bibliográfica e a pesquisa de campo, baseada em dados processuais coletados no Sistema Processual e-Proc e entrevistas com juízes da Vara Criminal da Comarca de Dianópolis-TO. Concluem-se as inovações da Lei n° 11.340, de 2006, conhecida também como Lei Maria da Penha, a qual inseriu no ordenamento jurídico brasileiro um rol de medidas com vista a resgatar a cidadania feminina e assegurar à mulher o direito a uma vida sem violência. Dessarte, as agressões sofridas pelas mulheres, sejam de caráter físico, psicológico, sexual, patrimonial e moral, que passaram a ter tratamento diferenciado pelo Estado. O tema é bastante controvertido e trouxe mudanças que pressupõem, para além da igualdade formal, um tratamento diferenciado para a vítima (mulher) e para o infrator, buscando adequar às necessidades e peculiaridades de cada um, principalmente no que se refere à Medida Protetiva e à renúncia, perante o Ministério Público, por parte da vítima.
https://doi.org/10.34060/reesmat.v12i20.381
PDF

Referências

ALVES, Fabrício da Mota. Lei Maria da Penha: das discussões à aprovação de uma propos-ta de combate à Violência doméstica e familiar contra a mulher. Jus Navigandi. Teresina, ano 10, n. 1133, 8 ago. 2006.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 - Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providên-cias. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 10 maio 2019.

CALASANS JÚNIOR, Geraldo.Lei Maria da Penha: aspectos relevantes para a inserção da Lei 11.340 no ordenamento jurídico pátrio. Disponível em: http:www.direitonet.com.br. A-cesso em: 5 out. 2019.

CAPACITAÇÃO em Gênero: curso capacitação em gênero, acesso à justiça e violência contra as mulheres 2012. In: CESÁRIO, Samara Freitas. Necessidade de Designação de Audiência Especial Prévia para Recebimento da Denúncia nos Crimes de Ação Penal Pública Condicionada a Representação, Praticados com Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. Rio de Janeiro: EMERJ, 2013.

CAVALCANTI, Stela Valéria Soares de Farias. Violência doméstica: análise da lei “Maria da Penha”, n. 11.340 ⁄ 06. Salvador: Podivm. 2007.

CHAUI, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência: Perspectivas antropo-lógicas da mulher nº 4. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

CUNHA, Rogério Sanches; PINTO, Ronaldo Batista. Violência doméstica: Lei Maria da Penha (Lei 11.340) comentada artigo por artigo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

DIAS, Maria Berenice. A Lei Maria da Penha na Justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência domestica e familiar contra a mulher. 2. ed.. São Paulo, SP: Revista dos
Tribunais, 2010

MOREIRA, Alexandre Magno Fernandes. Lei Maria da Penha e a criminalização do mas-culino. 2008. Disponível em: http:www.direitonet.com.br. Acesso em: 15 set. 2019.

NUCCI, Guilherme de Souza. Leis penais e processuais penais comentadas. São Paulo: RT, 2006.

RIBEIRO, Luísa. A relevância do relato da vítima com a Lei Maria da Penha. 2018. Dis-ponível em: https://jus.com.br/artigos/67992/a-relevancia-do-relato-da-vitima-com-a-lei-maria-da-penha/5. Acesso em: 14 set. 2019.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero e Patriarcado: a necessidade da violência. In: CASTILLO-MARTÍN, Márcia e OLIVEIRA, Suely. Marcadas a Ferro: violência contra mulher uma visão multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Política para mulheres, 2005.

SAFFIOTI, Heleieth I. B.; VARGAS, Mônica Munõz. Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1994.

SILVA, Marlise Vinagre. Violência contra a mulher: quem mete a colher? São Paulo: Cor-tez, 1992.

SUMARIVA, Gracieli Firmino da Silva. Lei Maria da Penha e as medidas protetivas da mulher. 2009. Disponível em: httpwww.jusvigilantibus.com.br. Acesso em: 10 out. 2019.

ZIRBEL, Ilze. A caminhada do movimento feminista brasileiro: das sufragistas ao ano Internacional da Mulher. 2009. Disponível em: http://br.geocities.com/izirbel/Movimentomulheres.html. Acesso em: 10 set. 2019.