A HERMENÊUTICA FILOSÓFICA E A LÓGICA DO RAZOÁVEL: INSTRUMENTOS HÁBEIS À EFETIVIDADE DA TUTELA JURISDICIONAL
PDF

Palavras-chave

Decisão judicial
Hermenêutica filosófica
Lógica do razoável
Segurança jurídico-material
Justiça

Como Citar

Torquato, G. B. (2017). A HERMENÊUTICA FILOSÓFICA E A LÓGICA DO RAZOÁVEL: INSTRUMENTOS HÁBEIS À EFETIVIDADE DA TUTELA JURISDICIONAL. REVISTA ESMAT, 9(12), 23-36. https://doi.org/10.34060/reesmat.v9i12.136

Resumo

A inafastável evolução e complexidade da sociedade contemporânea, aliada ao descompasso da atividade legiferante conferem ao hermeneuta um protagonismo de importância inquestionável na atividade decisória. Esse caminho interpretativo passa necessariamente pela busca da decisão que mais se adapta à lógica do razoável, desenvolvida por Recaséns Siches, e à hermenêutica filosófica de Gadamer, pautando-se pelo sentimento de justiça ambicionado pela ordem jurídica em si, e avaliada sob o prisma da realidade social, dos valores que a inspiram, da harmonia do sistema, assim como da experiência do julgador. Legitima-se, pois, na pretensão de verdade socialmente desejável e na técnica argumentativa fundamentada de maneira racional e justificada no ordenamento jurídico, analisado sistematicamente. Cuida-se de uma proposta de mudança de paradigma, a fim de que as decisões judiciais sejam pautadas na segurança jurídico-material e fundadas no valor ético supremo da justiça.
https://doi.org/10.34060/reesmat.v9i12.136
PDF

Referências

ALBERTO, Tiago Gagliano Pinto. Poder Judiciário e argumentação no atual Estado Democrático de Direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012.

ALVIM, Arruda. Manual de Direito Processual Civil. Vol. 1. Parte Geral. 11ª Ed. São Paulo: RT, 2007.

ANDRADE, Christiano José de. A hermenêutica jurídica no Brasil. São Paulo: RT, 1991.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins. APRN 0008158-

2015.827.0000. Relator Desembargador Moura Filho. Disponível em: <http://jurisprudencia.tjto.jus.br/documento?uuid=f01385754fd80a1fe0dc9349075578a9&options=%23page%3D1>. Acesso em 22 jun 2016.

CAPELLETTI, Mauro. Juízes legisladores? Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1993.

COELHO, Luiz Fernando. Lógica Jurídica e Interpretação das Leis. Rio de Janeiro: Forense, 1981. p. 200.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Legalismo. Brasília. Consulex, n° 32. A. 1999.

______. O poder dos juízes. São Paulo: Saraiva, 2007.

ECO, Humberto. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FERNANDEZ, Atahualpa. Direito, evolução, racionalidade e discurso jurídico. A “realização do direito” sob a perspectiva das dinâmicas evolucionárias. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2002.

FILHO, Misael Montenegro. Curso de Direito Processual Civil. Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. São Paulo: Atlas, 2005.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e Método. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LARENZ, Karl, apud MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Mártires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 5ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

MACIEL, José Fábio Rodrigues. Teoria Geral do Direito. São Paulo: Saraiva, 2004.

MAIA, L. A. Moreira. Novos Paradigmas do Direito Civil. Curitiba: Juruá, 2007.

MARINONI, Luiz Guilherme. Precedentes Obrigatórios. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

ROSS, Alf. Direito e Justiça. Trad. Edson Bini. Revisão Técnica Alysson Leandro Mascaro. Bauru, SP: EDIPRO, 2000.

STRECK, Lenio. Hermenêutica Jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do Direito. 10ª Edição. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

TASSINARI, Clarissa. Jurisdição e Ativismo Judicial: limites da atuação do Judiciário. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2013.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.