Sidebar

Com a proposta de levantar a discussão sobre o trabalho análogo à escravidão e as desigualdades sociais decorrentes no interior do País, a Escola Superior da Magistratura Tocantinense (ESMAT), por meio do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensuem Direitos Humanos e Prestação Juridiscional, em parceria com a Universidade Federal do Tocantins, realizou nesta segunda-feira (20) um Webinário sobre o filme “Pureza”. Participaram da discussão virtual egressos do curso de Mestrado desenvolvido pela Esmat e a atriz global e militante social Dira Paes.

Inspirado em fatos reais, o filme é fruto de 12 anos de pesquisa e aborda a questão do trabalho análoga à escravidão na região norte do País. Baseado na vida da ativista social, Pureza Lopes Loyola, a obra é dirigida pelo cineasta Renato Barbieri. Rodado em 2018 no município de Marabá, no sul do estado do Pará, o filme ainda não estreou em circuito nacional. Durante o Webinário, o diretor do filme e a atriz Dira Paes participaram da discussão. O evento também contou com a presença de integrantes de movimentos sociais, como a Comissão Pastoral da Terra (CPT), da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE),de docentes da UFT, entre outros.

Em entrevista concedida ao Jornal O Globo, Dira Paes e Pureza Lopes Loyola se encontraram no set da filmagem de"Pureza", em Marabá. A atriz diz que o papel a faz refletir sobre o poder do amor de mãe. Em busca do filho, Pureza Lopes Loyola percorreu por três anos fazendas que escravizavam trabalhadores. O filme, dirigido por Renato Barbieri, vai recontar essa história.

Na entrevista, o diretor ressalta que a obra tem inspiração em fatos reaise diz: “optamos pelo naturalismo, a gente pretende um cinema verdade e com elementos documentais. Já a artista Dira Paes, conhecida por dezenas de papéis em telenovelas brasileiras e também em produções cinematográficas nacionais, ressaltou a importância de poder entrevistar a personagem principal do filme. “Eu pude retirar muita coisa depois de conhecer o roteiro e de ouvi-la, vi que havia muita coisa que ela complementou, que me deu para eu aplicar nessa Pureza que eu estou fazendo”, afirmou.

O projeto Olhar Direitos integra o projeto EducaDH, vinculado ao Grupo de Pesquisa Educação e DireitosHumanos do Programa de Pós-Graduação em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos, é um convite à percepção dos Direitos Humanos em situações cotidianas, para sensibilizar a sociedade quanto ao respeito, ao pertencimento e identidade, por meio da aplicação daferramenta pedagógica Cine Fórum, que valoriza a linguagem cinematográfica como instrumentoacessível e democrático para experimentação e compreensão de temas relacionados.