ARGUMENTAÇÃO
PDF

Como Citar

Pedro Villas Boas, J. (2021). ARGUMENTAÇÃO. REVISTA ESMAT, 12(20), 144-165. https://doi.org/10.34060/reesmat.v12i20.391

Resumo

O presente artigo analisa a forma de argumentação volátil que se tornou lugar comum nos últimos anos na prática jurídica brasileira, com a abertura do Direito para os princípios jurídicos, os quais passaram a dominar, principalmente em sede de controle de constitucionalidade, a construção dos textos motivacionais de decisões dos tribunais, devido à carga normativa de menor densidade, permissivos da fluidez dos juízos. No entanto, essa possibilidade argumentativa leva a uma moral jurídica empobrecida.
https://doi.org/10.34060/reesmat.v12i20.391
PDF

Referências

ABBAGNANO, Nicola. História da Filosofia. v. 11. Tradução de Antônio Ramos Rosa e outros. Lisboa: Presença, 2000.

ALEXANDRINO, José. Direitos fundamentais. Introdução Geral. Lisboa: Principia, 2011.

ALEXY, Robert. Conceito e validade do Direito. Tradução deGercélia Mendes. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2011.

ALMEIDA COSTA, Mário Júlio de. História do Direito Português. Coimbra: Almedina, 2000.

ARENDT, Hanna. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

BARBOSA, Ruy. Commentariosá Constituição Federal Brasileira.v. 1. São Paulo: Saraiva e Cia, 1932.

BAUMAN, Zygmunt.Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt; DONSKIS, Leonidas. Cegueira moral: a perda da sensibilidade na modernidade líquida. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

BOFF. Leonardo. Prefácio. Inquisição: um espírito que continua a existir. In EYMERICH, Nicolau. Directororium Inquisitorum. Manual dos Inquisidores. Tradução de Maria José Lopes da Silva. Brasília: Edunb, 1993.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. Tradução de Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Obras Completas, v. XXI. Tradução de José Octávio de Aguiar Abreu. Rio de Janeiro: Imago, 1969.

GARCÍA DE ENTERRÍA, Eduardo. La lengua de los Derechos. La formación del derecho público europeo tras la revolución francesa.Madrid: Alianza Editorial, 1999.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da Modernidade. Tradução de Luiz Sérgio Repa e Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HENDERSON, William Otto. A Revolução Industrial, 1980-1914. Tradução de Maria Ondina. Lisboa: Editora Verbo, 1969.

LEIBNIZ. Gottfried Wilhelm. Novo ensaio sobre o entendimento humano. Tradução de Luiz João Baraúna. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

LYOTARD, Jean-François. A condição da pós-Modernidade. Tradução de Ricardo Corrêa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

LOPES, Serpa. Comentário teórico e prático da Lei de Introdução ao Código Civil. v. 1. Rio de Janeiro: Livraria Jacintho Editora, 1943.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O Manifesto Comunista. In: MARX, Karl.Obras Escolhidas. Tradução doInstituto Marx-Engels-Lenin. São Paulo: Editora Alfa Ômega, 1983.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. Língua e conhecimento lingüístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

PÊCHEUX, Michel. Surla (dé)construction dês théories linguistiques. DRLAV, n. 27, 1982, p. 1-24. Tradução deCelene M. Cruz e outro. In: Línguas e Instrumentos lingüísticos. Campinas: Pontes, 1999.

PERELMAN, Chaïm. Tratado da argumentação. A nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PERELMAN, Chaïm;OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação. A nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

POSNER, Richard A. A problemática da teoria moral e jurídica. Tradução de Marcelo B. Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RADBRUCH, Gustav. Relativismo y derecho.Tradução de Luis Villar Borda. Bogotá: Temis, 1999.

RACHELS, James. Os elementos da Filosofia da Moral. Tradução de Roberto Cavallari Filho. São Paulo: Manole, 2006.

REBOUL, Oliver. Introdução à retórica. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SCAMPINI, José. A liberdade religiosa nas Constituições brasileiras.Petrópolis: Vozes, 1978.

WEBER. Max. El politico y el científico.Traductor Francisco RubioLlorente. Madrid: Alianza Editorial, 1998.

WEHLING, Arnold. Verbete: Savigny, Friedrich Carl Von, 1799-1861. In Dicionário de Filosofia do Direito. Rio de Janeiro: Renovar, 2009.

WESTON, Anthony. A construção do argumento. Trad. Alexandre Feitosa Rosas. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ZAGREBELKY, Gustavo. El derecho dúctil. Ley, derechos, justicia. Trad. de Marina Gascón. Madrid: 2003.