CELERIDADE NO PODER JUDICIÁRIO E A EFICÁCIA
PDF

Palavras-chave

Eficiência. Eficácia. Poder Judiciário. Celeridade e Gestão.

Como Citar

Cláudia Araújo da Silva, F., & da Silveira Nogueira, J. (2020). CELERIDADE NO PODER JUDICIÁRIO E A EFICÁCIA . REVISTA ESMAT, 12(19), 145-160. https://doi.org/10.34060/reesmat.v12i19.352

Resumo

O objetivo do presente estudo é abordar os principais conceitos que envolvem as denominações: eficiência e eficácia, e correlacionar os termos com a busca pela celeridade no Poder Judiciário. Para alcançar os resultados, foi utilizado o meio bibliográfico de consulta com a pesquisa, de forma que se verificou que o Poder Judiciário brasileiro tem apresentado resultados que atendem a uma demanda relacionada a prazos e números, enquanto questões ligadas à qualidade na gestão do Judiciário são renegadas a segundo plano.
https://doi.org/10.34060/reesmat.v12i19.352
PDF

Referências

ANDRADE, Aurélio L. O curso do pensamento sistêmico. Print Editora. São Paulo. 2014.

ANDRADE, Aurélio L. Pensamento Sistêmico na Prática. In: Workshop sobre pesquisa aplicada, promovido pela Universidade Federal de Santa Catarina em 25.11.2017.

BIRNFELD, Marco A. Onde estão as ideias. Espaço Vital - Jornal do Comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/02/colunas/espaco_vital/545467-grande-tartarugajuridica-em-acao.html). Acesso em: 11 fev. 2017 BRASIL, Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

BURKE, Peter. Reciclando ideias. Folha de São Paulo, Caderno Mais, 25 maio 2009. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2405200912.htm - acesso em: 15 abr.2019.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos na Empresa: pessoas, organizações e sistemas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1994. p. 67-76.

COLZANI, Antônio. A importância da gestão de processos em cartórios da justiça de 1º grau de Santa Catarina. Disponível em: < http://tjsc25.tjsc.jus.br/academia/arquivos/Antonio_Colzani.pdf> Acesso em: 21 ago. 2017.

CORREA, Priscilla Pereira Costa. Direito e Desenvolvimento: aspectos relevantes do Judiciário Brasileiro sob a ótica econômica. Brasília: Conselho da Justiça Federal, Centro de Estudos Judiciários, 2014.

DARÓS, Vilson. (2009). Planejamento Estratégico do TRF da 4ᵃ Região. Caderno de Administração da Justiça: Planejamento Estratégico.

GRANGEIA, Marcos Alaor Diniz. Administração judiciária - gestão cartorária. 1ª Edição. Brasília, ENFAM. 2011. 156p.

______. Modelagem Organizacional, Gestão Administrativa e de Procedimentos Judiciais de Cartório Cível. Porto Velho: FGV Direito. 2007.

JUNIOR, Julio Cesar Marcellino. O direito de acesso à justiça e a análise econômica da litigância: a maximização do acesso na busca pela efetividade. Universidade Federal de Santa Catarina. Tese submetida ao Curso de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina como requisito para a obtenção do título de Doutor em Direito. Orientador: Prof. Dr. Horácio Wanderlei Rodrigues. Florianópolis. 2014.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo:Atlas, 2010.

PILATI, José Isaac. Audiência pública na justiça do trabalho. 2 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris. 2015. MATUS, Carlos e HUERTAS, Franco (1996). O método PES. entrevista com Matus 1 ed. São Paulo: Fundap. p. 47 e 48.

RABIN, Claudio Goldberg. O Judiciário se acostumou a não ser cobrado. Revista Veja, fev. 2017. Disponível em: < http://veja.abril.com.br/brasil/o-judiciario-se-acostumou-a-naoser-cobrado/> Acesso em: 3 fev. 2017.

SODRÉ, Paulo Cezar Alves. A administração do poder judiciário e o acesso à justiça no Brasil: as alterações introduzidas pela emenda constitucional nº 45/2004. Florianópolis. 2014. Curso de Mestrado em Direito, Estado e Sociedade. Dissertação apresentada ao Curso de Pós-graduação Strictu Sensu em Direito, Programa de Mestrado, da Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em < https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/103243/274165.pdf?sequence=1 &isAllowed=y>. Acesso em: 6 abr. 2018.

SAGRERA, Renato. Radio Universidade, fev. 2017. Presidente Difini faz balanço do primeiro ano de gestão à frente do TJRS. Disponível em: Acesso em: 15 abr. 2019.

SCHULZE, Clenio Jair. O planejamento estratégico e o juiz administrador. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 2840, 11 abr. 2011.

SILVA, Paulo Eduardo Alves da Silva. Gerenciamento de processos judiciais. Saraiva, 2010.

SILVA, Paulo Eduardo Alves da; NOGUEIA, Mauro Oddo. In: OLIVEIRA, Saulo Barbará de. (Org. e Coautor). Instrumentos de gestão pública. São Paulo: Saraiva, 2015. p. 187-216.

SODRÉ, Paulo Cezar Alves. A administração do poder judiciário e o acesso à justiça no Brasil: as alterações introduzidas pela emenda constitucional nº 45/2004. Florianópolis. 2014. Curso de Mestrado em Direito, Estado e Sociedade. Dissertação apresentada ao Curso de Pós-graduação Strictu Sensu em Direito, Programa de Mestrado, da Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em < https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/103243/274165.pdf?sequence=1 &isAllowed=y>. Acesso em: 6 abr. 2018.

SOUSA, Roberto Rodrigues de. Gestão de pessoas e de processos no ambiente cartorário. 24 jul. 2017. Disponível em: < http://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/artigos/2014/gestao-de-pessoas-e-de-processosno-ambiente-cartorario-roberto-rodrigues-de-sousa> Acesso em: 15 abr. 2019.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 2000.

WEIBLEN, Bruno Weiblen e FREITAS, Eber, Henry Mintzberg critica fórmulas prontas do planejamento estratégico. Revista Administradores, set. 2011.