O MAGISTRADO PORTUGUÊS JOAQUIM THEOTÔNIO SEGURADO E A CRIAÇÃO DA PROVÍNCIA DE SÃO JOÃO DAS DUAS BARRAS NO CONTEXTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
PDF

Como Citar

Flores, K. M. (2019). O MAGISTRADO PORTUGUÊS JOAQUIM THEOTÔNIO SEGURADO E A CRIAÇÃO DA PROVÍNCIA DE SÃO JOÃO DAS DUAS BARRAS NO CONTEXTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. REVISTA ESMAT, 11(17), 57-76. https://doi.org/10.34060/reesmat.v11i18.283

Resumo

A história da criação do estado do Tocantins pela Constituição, de 1988, traz à luz a luta separatista entre norte e sul de Goiás, cujos marcos revelam vários movimentos conduzidos por lideranças populares e políticas, em diferentes épocas.  Dentre as lideranças separatistas, destaca-se a figura emblemática do magistrado português, o desembargador Joaquim Theotônio Segurado, ouvidor de Goiás (1804-1821), e o movimento que culminou com a criação da província de São João das Duas Barras entre os anos 1821-1822. Segurado foi ouvidor geral de Goiás e primeiro ouvidor da comarca do norte, onde, no exercício do cargo e valendo-se das possibilidades, construiu uma rede de articulações políticas, administrativas, econômicas e sociais que extrapolavam em muito o campo de atuação dos magistrados, cujas carreiras eram prescritas no interior do aparelho judicial ultramarino português. Foi com esse campo de poder conquistado nos muitos anos no norte que se alçou como uma das principais lideranças do movimento separatista do norte goiano, onde advogava a separação de Goiás e sua autonomia, dentro de uma nova geopolítica encabeçada por Maranhão e Pará. Sua atuação como ouvidor em Goiás extrapolou em muito o prescrito para o exercício do cargo dentro dos procedimentos jurídico-administrativos desenhados pela legislação ibérica. O presente artigo é parte de uma pesquisa de maior envergadura, realizada sobre o desembargador Joaquim Theotônio Segurado em arquivos do Brasil e de Portugal, no intuito de reconstruir os percursos da carreira jurídica do magistrado.   
https://doi.org/10.34060/reesmat.v11i18.283
PDF

Referências

ALENCASTRE, José Martins Pereira de. Anais da Província de Goiás, Brasília: Ipiranga, 1979.

ALMEIDA, Joana estorninho. A forja dos homens: estudos jurídicos e lugares de poder no século XVII. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 2004.

BERBEL, Márcia Regina. A nação como artefato: os deputados do Brasil nas cortes portuguesas de 1821-1822. São Paulo: Hucitec, 1999.

BOXER, Charles. O império marítimo português. São Paulo: Companhia das letras, 2002.

CERTEAU, Michel. A escrita da história. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982.

CAMARINHA, Nuno. O aparelho judicial ultramarino português. O caso do Brasil (1620 -1800). Almanack brasiliense, 9 de maio 2009.

CAMARINHAS, Nuno. Juízes e a administração da justiça no antigo regime. Portugal e o Antigo Império Colonial, século XVII e XVIII. Lisboa: Fundação Lacouste Gulbenkian, 2010.

Cruzeiro, Maria Eduarda. A reforma pombalina na história da Universidade. Análise Social, vol. XXIV (100), 1988. (1°), 165-210

DOLLES, Dalísia. As comunicações fluviais pelo Tocantins e Araguaia no século XIX. Goiânia, Oriente, 1973.

LIMA, André Nicácio. Caminhos da integração, fronteira da política: a formação das províncias de Goiás e Mato Grosso.

FLORES, Kátia Maia. Caminhos que andam: a navegação fluvial no interior do Brasil. Goiânia, UCG, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FRAGOSO, João Luís. Ribeiro; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de; SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá de. Conquistadores e negociantes: história das elites no Antigo regime nos Trópicos. América Lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FRAGOSO, João Luís. Ribeiro; BICALHO, Maria Fernanda e GOLVEIA, Maria de Fátima. O Antigo Regime nos Trópicos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FURTADO, J. F. (Org.). Diálogos Oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino português. 1. Ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001. V. 1. 521p.

HESPANHA, António Manuel. Poder e instituições na Europa do Antigo Regime. Lisboa, Fundação CalousteGubenkian, 1994.

______. Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito. 1. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

MELLO, Isabele de Matos Pereira de. Magistrados a serviço do rei: a administração da justiça e os ouvidores gerais na comarca do Rio de Janeiro (1710-1790).

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. O Ethos nobiliárquico no final do Antigo regime: poder simbólico, império e imaginário social. In: Almanack brasiliense, n. 02, novembro, 2005

MOREYRA, Sergio Paulo. A independência em Goiás. Revista de história USP. São Paulo, USP, 7 jul. 1972.

MOTA, Carlos Guilherme. História Moderna e Contemporânea. São Paulo: Moderna, 1986.

PALACIN, Luís. História de Goiás (1722 – 1822): estrutura e conjuntura numa capitania de mina. Goiânia: oriente 1976.

PORTUGAL. Regimento do ouvidor-geral do Brasil de 14 de abril de 1628. Coleção Cronológica da Legislação Portuguesa compilada e anotada por José Justino de Andrade e Silva. Legislação de 1627 a 1633. Lisboa, p. 124-127, 1855 a. Disponível em: http://www.iuslusitaniae.ufsh.unl.pt .

______. Alvará de regimento do auditor da gente de Guerra do Presídio do Brasil de 2 de abril de 1630. Coleção Cronológica da Legislação Portuguesa compilada e anotada por José Justino de Andrade e Silva. Legislação de 1627 a 1633. Lisboa, p. 167-171, 1855b. Disponível em: http://www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt.

______. Regimento do ouvidor-geral do Brasil de 17 de julho de 1643. Coleção Cronológica da Legislação Portuguesa compilada e anotada por José Justino de Andrade e Silva. Legislação de 1640 a 1647. Lisboa, p. 217-221, 1856. Disponível em: http://www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt.

SALGADO, Graça (coord.). Fiscais e meirinhos: a administração no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

SANTOS, Maria do Espírito. O discurso autonomista do Tocantins. Goiânia: Ed. da UCG, 2003.

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e sociedade no Brasil colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979.

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e sociedade no Brasil colonial: a suprema corte da Bahia e seus juízes: 1609-1751. Tradução de Maria Helena Pires Martins. São Paulo: Perspectiva, 1979. (Estudos, v. 50).

SLEMIAN, Andréa. Vida política em tempo de crise: Rio de Janeiro (1808 – 1824). São Paulo: Hucitec, 2006.

SOUZA, Maria Eliza de Campos. Relações de Poder, justiça e administração em Minas Gerais nos setecentos – A comarca de Vila Rica de Ouro Preto: 1711 – 1752. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ, 2000.

SUBTIL, José. O desembargo do paço (1750 – 1833). Lisboa, Universidade Autônoma de Lisboa, 1996. p. 583.

______. Dicionário dos desembargadores (1640-1834). Lisboa: Universidade Autônoma de Lisboa, 2010. p. 601.

WEHLING, Arno; WEHLING, Maria José. Direito e justiça no Brasil colonial: o Tribunal da Relação do Rio de Janeiro (1751-1808). Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.