A DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO SEM A PROTEÇÃO DO EMPREGO
PDF

Palavras-chave

Gênero. Discriminação. Trabalho. Proteção.

Como Citar

Silvério, V. G. (2017). A DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO SEM A PROTEÇÃO DO EMPREGO. REVISTA ESMAT, 9(13), 197-212. https://doi.org/10.34060/reesmat.v9i13.199

Resumo

Como fito principal de estudo, este trabalho procura analisar as formas de discriminações de gênero mais comuns naquelas atividades profissionais que não estão abraçadas pelo manto protetivo do emprego. Nos últimos anos, estudos demonstram que os avanços no combate da desigualdade de gênero no mercado de trabalho de forma geral não vêm conseguindo resultados satisfatórios, sendo que as principais medidas destinadas a uma possível solução são direcionadas quase que exclusivamente à erradicação dessas disparidades nas relações que envolvam um vínculo de emprego ou por viés do serviço público, pouco se falando no alcance para o mercado de trabalho que não conta com essa proteção. 
https://doi.org/10.34060/reesmat.v9i13.199
PDF

Referências

BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm>. Acesso em 15 jan. 2017.

______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em 15 jan. 2017.

CREDIT SUISSE. Gender diversity and corporate performance. Zurique, ago. 2012. Disponível em: <https://publications.credit-suisse.com/tasks/render/file/index.cfm?fileid=88EC32A9-83E8-EB92-9D5A40FF69E66808>. Acesso em 18 mar. 2017.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS HUMANOS. ONU, 1948.

DEJOURS, Christophe. Trabalho Vivo: Trabalho e emancipação. Tomo II. Brasília: Paralelo 15, 2012.

KNOPLOCH, Carol. Presidente da FIVB promete rever premiação feminina no vôlei: 'Absurdo'. Rio de Janeiro, jul. 2016. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/esportes/presidente-da-fivb-promete-rever-premiacao-feminina-no-volei-absurdo-19736594>. Acesso em 18 mar. 2017.

KYMLICKA, Will. Filosofia política contemporânea: uma introdução. Trad. Luís Carlos Borges e Marilene Pinto Michael. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Las mujeres en el trabajo: Tendencias 2016. Genebra, 2016. Disponível em: <http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_483214.pdf>. Acesso em 15 mar. 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Depressão é tema de campanha da OMS para o Dia Mundial da Saúde de 2017. 2016. Disponível em: <http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5321:depressao-e-tema-de-campanha-da-oms-para-o-dia-mundial-da-saude-de-2017&Itemid=839>. Acesso em 7 mar. 2017.

RAMOS FILHO, Wilson. Direito capitalista do trabalho: histórias, mitos e perspectivas no Brasil. São Paulo: LTr, 2012.

ROCHA, Silvia Regina da. O trabalho da mulher à luz da CF/88. Rio de Janeiro: Forense, 1991.

SOUSA, Eliane Ferreira. Direitos Humanos, currículo jurídico e gênero. Revista Caderno de Relações Internacionais. Recife, v. 5, n. 9, p. 69-78, 2014.

UNZUETA, María Angeles Barrère. Discriminación, Derecho antidiscriminatório y acción positiva en favor de las mujeres. Madri: Editorial Civitas, 1997.

WANDELLI, Leonardo Vieira. O direito humano e fundamental ao trabalho: Fundamentação e exibilidade. São Paulo: LTr, 2012.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.