As adaptações da humanidade ante o desafio da pandemia de Covid-19, o seguimento da formação acadêmica e a pesquisa científica foram os temas debatidos no primeiro dia do XIII Congresso Internacional em Direitos Humanos. O Evento é organizado pelo Programa de Mestrado em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos (PPGPJDH – UFT), uma parceria entre a Escola Superior da Magistratura Tocantinense (ESMAT) e a Universidade Federal do Tocantins (UFT) e, neste ano, conta também com a parceria da UniCEUB, Colégio Permanente de Diretores de Escolas Estaduais da Magistratura (COPEDEM) e da PUC-RIO.

Com o tema A União dos Povos pelos Direitos Inalienáveis do ser Humano, o Evento conta com a participação de renomados palestrantes do Brasil, Colômbia, Panamá, Espanha, Argentina, Peru e Singapura. Nesta Edição, o homenageado, in memoriam, é o marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, militar e sertanista brasileiro, idealizador do Parque Nacional do Xingu e diretor do Serviço de Proteção ao Índio.

Na solenidade de abertura, o desembargador Marco Villas Boas, diretor geral da Esmat e presidente do Copedem, ressaltou que esse é o segundo ano consecutivo de transmissão 100% virtual, devido às restrições sanitárias. “Este ano nos preocupamos com a situação trazida pela pandemia, provocada na grande família humana que foi agredida de diversas formas, não só por situações catastróficas, mas também pela falta de preparo de diversas autoridades do Planeta por algo tão inusitado que já era profetizado por estudiosos. Todavia, não imaginávamos que tantas internações e óbitos gerassem um impacto tão profundo, instigando-nos a investigar todas as estratégias de convivência humana”, afirmou.

O professor doutor Luís Eduardo Bovolato, reitor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), disse que esta Universidade passou por desafios estruturais de adaptação no ensino remoto, devido à emergencialidade do contexto vivenciado entre 2020 e 2021, decorrentes da pandemia. Para encontrar mecanismos de resiliência e enfrentamento de possíveis cenários futuros, o reitor ressaltou que a capacitação de professores da Universidade para o novo formato foi e é primordial. “Precisamos preparar nossos professores para o novo formato e repensar a forma como lidamos com a situação no processo ensino-aprendizagem”, lembrou.

O primeiro dia do Congresso na Mesa Institucional – Brasil – contou com a presença da professora doutora Liziane Paixão Silva Oliveira (UniCEUB); do professor doutor Francisco de Guimaraens (PUC-Rio), mediado pelo professor doutor Gustavo Paschoal, coordenador do curso de Pós-Graduação Stricto Sensu (PPGPJDH).

Com o tema Meios de Defesa para o preso no sistema atual de Direitos Humanos foi proferida a primeira palestra internacional do Congresso, pela professora doutora Digna Milagros Atencio Bonilla, do Panamá. Em seguida, ocorreu o lançamento das coletâneas de artigos acadêmicos DINTER PUC-Rio/ESMAT. Tendo como organizadores o desembargador Marco Villas Boas, doutorando (PUC-RIO); a professora doutora Gisele Guimarães Cittadino (PUC-Rio); e o professor doutor Tarsis Barreto (PPGPJDH – UFT).

A Programação do XIII Congresso Internacional em Direitos Humanos retorna às atividades na próxima segunda-feira (18), a partir das 9 horas, horário de Brasília.

 

Para acessar a homepage do Evento clique aqui.

Para se inscrever, clique aqui.

Clique aqui para acessar a Programação.

 

Texto: Wherbert Araújo – Comunicação Esmat

Francielly Oliveira – Estagiária em Comunicação Social – Jornalismo