O INSTITUTO DA MEDIAÇÃO E DA CONCILIAÇÃO SOB A PERSPECTIVA DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

Patrícia Francisco da Silva

Resumo


O presente artigo tem por finalidade precípua tratar os institutos da mediação e conciliação pela perspectiva do novo Código de Processo Civil, buscando também demonstrar suas inovações e a importância de sua aplicabilidade como forma de construção da cidadania e a inserção de forma definitiva dos referidos instrumentos no ordenamento jurídico brasileiro.


Palavras-chave


Mediação; Conciliação; Autocomposição.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Tania. Mediação de conflitos e facilitação de diálogos: aportes teóricos para diálogos com múltiplas partes. In: CUNHA, José Ricardo; NORONHA, Rodolfo. Mediação de conflitos comunitários e facilitação de diálogos: relato de uma experiência na maré. Rio de Janeiro: FGV. 2010. Disponível em: . Acesso em 17 jun. 2015.

BOLZAN, José Luis. Características e princípios da mediação que estão implícitos na chefia indígena. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: . Acesso em7 jun. 2015.

______. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Brasília, DF, 16 mar. 2015. Código de Processo Civil. Disponível em: . Acesso em 7 jun. 2015.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução Nº 125 de 29/11/2010. Dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. Brasília, DF, 29 nov. 2010. Disponível em: . Acesso em7 jun. 2015.

DIDIER, Fredie Jr., Curso de direito processual civil: introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. Salvador (BA): JusPodivm, 2015.

DINAMARCO, Cândido Rangel. A instrumentalidade do processo. São Paulo: Malheiros, 2005.

DURÃO, Aylton Barbieri. A crítica de Habermas à dedução transcendental de Kant. Londrina: EDUEL, 1996.

DUTRA, Delamar V. Kant e Habermas a reformulação discursiva da moral kantiana. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

ESPADA, Paulo Eduardo Christino. A ação comunicativa na mediação e arbitragem. Âmbito Jurídico, Rio Grande, ano 10, n. 47, nov. 2007. Disponível em: . Acesso em1º jun. 2015.

FIORELLI, José Osmir; FIORELLI, Maria Rosa; MALHADAS JUNIOR, Marcos JulioOlivé. Mediação e solução de conflitos: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2008.

HABERMAS, Jurgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,1989.

______. Racionalidade e comunicação. Lisboa: Edições 70, 1996.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. São Paulo: Martins, 1991.

ROUANET, Paulo Sérgio. Ética Iluminista e ética discursiva. Rio de Janeiro: Revista Tempo Brasileiro, 1989.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O acesso à justiça. In: Justiça: promessa e realidade: acesso à justiça em países ibero americanos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

SILVA, Luiz Marlo de Barros. O acesso limitada à justiça e soluções alternativas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

TEMPO BRASILEIRO. Rio de Janeiro: Revista Trimestral de Cultura, 1989.

ZAMORA Y CASTILLO, Niceto Alcalá. Processo, autocomposição autodefesa. Cidade do México: Ed. Universidade Autonóma Nacional de México, 1991.

WARAT, Luiz Alberto. Em nome do acordo: a mediação no direito. Associação Latino Americana de Mediación, Metologia y Enseñanza Del Derecho, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.34060/reesmat.v9i12.139

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 REVISTA ESMAT

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0

ISSN versão impressa: 2177-0360

ISSN versão eletrônica: 2447-9896