[1]
J. F. B. de Castro, “O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA SOB UM ENFOQUE JURISPRUDENCIAL”, REESMAT, vol. 3, nº 3, p. 57-73, set. 2016.