No último dia de Congresso em Brasília foram discutidos temas importantes sobre Saúde Suplementar. Nesta manhã (17/8), os trabalhos iniciaram com o quarto Painel, que teve como tema “Medicamentos Importados e Medicamentos Off Label”,  apresentado pelo ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e pelo médico e mestre em Administração e Concentração de Saúde, Gonzalo Vecina Neto. O trabalho teve como moderador o desembargador Ney Wiedemann Neto, do TJ/RS, e como presidente de Mesa, o desembargador Marco Villas Boas, diretor da Esmat e presidente do Copedem.

Outro tema em debate foi “A Importância da Segunda Opinião Médica para Conter Tratamentos Desnecessários, Danosos aos Pacientes e Fraudulentos. Como a Segunda Opinião é Regulamentada. O Pedido Médico Não Deve ser Tomado como Verdade Absoluta”, apresentado pelos palestrantes ministro do Superior Tribunal de Justiça, Marco Aurélio Gastaldi Buzzi, e pelo médico ortopedista e traumatologista, Mário Ferretti. Esta apresentação teve como moderador o advogado Luiz Felipe Conde e como presidente de mesa, o desembargador Jones Figueirêdo, diretor da Escola Judicial de Pernambuco (ESMAPE).

O Congresso foi encerrado com a palestra do ministro Marco Aurélio de Farias Mello, do Supremo Tribunal Federal, que falou sobre “Ativismo Judicial”. O desembargador do Mato Grosso do Sul, Ruy Celso Florence, membro Consultivo do Copedem, presidiu esta mesa.

Na oportunidade o desembargador Marco Villas Boas homenageou o ministro Marco Aurélio com a Medalha “Desembargador Antônio Rulli Junior.”

O presidente do Copedem, desembargador Marco Villas Boas, afirmou: “foi um grande encontro, que com certeza contribuiu para este importante debate sobre a saúde suplementar no meio jurídico”.