A Escola Superior da Magistratura Tocantinense (ESMAT), na manhã desta segunda-feira (25/3), realizou abertura oficial da 2ª Edição do Programa Residência Jurídica com acesso à Pós-Graduação Lato Sensu em Prática Judiciária.

O superintendente e 2º diretor adjunto da Esmat, juiz José Ribamar Mendes Júnior, deu as boas-vindas aos residentes e ressaltou a grande oportunidade profissional que “a participação de uma iniciativa como esta possibilita, agregando uma gama de experiências profissionais aos participantes”.

Na sequência, fez uso da palavra o coordenador da Pós-Graduação Lato Sensu em Prática Judiciária, juiz Roniclay Alves de Morais. Ele afirma que o principal objetivo é “aliar o aprendizado da parte teoria e prática, bem como trazer mais um auxiliar para os magistrados em suas demandas”. Pontuou, ainda, que “o juiz terá a incumbência de preparar e orientar o residente para a atividade de assessoramento”.

Finalizando a solenidade de abertura do Programa, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Helvécio de Brito Maia Neto, destacou que “o Programa foi desenvolvido com muita competência pela Esmat, sendo uma grande oportunidade”.   Pontuou, ainda, que “a tendência é melhorar a qualidade do serviço prestado no 1º Grau de Jurisdição, com vista à valorização e auxílio dos magistrados.

Programa de Residência Jurídica

Na ocasião, foi disponibilizado o Manual do Aluno, no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), com explanação dos pontos principais, oportunizando aos residentes esclarecimentos de possíveis dúvidas.

Também foram apresentados os tutores da Pós-Graduação Lato Sensu em Prática Judiciária, os servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins Leila Maria de Souza Jardim e Nelcyvan Jardim dos Santos, que auxiliarão os residentes, professores e a Coordenação nas atividades do Programa.

No período da tarde, será ministrada aula do Módulo Introdutório do Programa, com os temas: O Programa de Residência com Acesso à Pós-Graduação em Prática Judiciária (PRJUD) e O Poder Judiciário do Estado do Tocantins, pelos magistrados Luis Otávio de Queiroz Fraz e Flávia Afini Bovo.