Para concretizar o objetivo de se tornar uma delegada de Polícia Civil, Cláudia Taiara Santos concilia a rotina de estudos para o concurso público com os conteúdos da reta final da faculdade de Direito. A busca por um local com o suporte ideal para as pesquisas levou a acadêmica à biblioteca da Escola Superior da Magistratura Tocantinense (Esmat). O local recebe cerca de 900 pessoas por mês.

A jovem segue um cronograma e, pelo menos três vezes por semana, dedica quatro horas do dia exclusivamente aos estudos. “Escolhi a biblioteca da Esmat por ser totalmente completa. Os livros que encontro aqui não tem em outra localidade. No ano passado, quando fiz minha monografia, foi aqui que encontrei todos os autores que deram suporte à minha pesquisa”, afirmou Cláudia.

São mais de 15 mil livros disponíveis para pesquisa e estrutura renovada para atender ao público. “Diariamente atendemos cerca de 30 pessoas. São acadêmicos de várias áreas e universidades diferentes, estudantes da própria Esmat (magistrados e servidores), pessoas da comunidade em geral, pesquisadores, professores e concurseiros”, explica a bibliotecária da Escola, Silvânia Melo.

Referência na área jurídica, a biblioteca fez com que a universitária Elina Marta Prado também procurasse as dependências da escola. “Na faculdade eu fiquei sabendo que a Esmat oferece cursos, uma biblioteca com um acervo vasto e o espaço e as condições ideais para o estudo. Tudo isso gratuitamente. Resolvi conferir e estou gostando muito”, completou.

Aberta ao público, a biblioteca está localizada na sede da Esmat, na Avenida Teotônio Segurado, região Norte de Palmas. O atendimento é realizado em horário comercial.

Quer conferir a matéria em vídeo? Acesse o link acompanhe a reportagem que foi ao ar no programa Repórter Justiça do dia 1/11.